terça-feira, 4 de novembro de 2014

Verdade artificial

A verdade é um diamante por lapidar. A mentira carvão em bruto. Substância idêntica cristaliza em instantes diferentes. O por do sol a norte ou a sul. Assim é o sentido das palavras. Peneira da consciência. Flor carnívora que se alimenta dos insectos viscosos, equilíbrio do ecossistema da semântica. Pregos frisantes, carimbo a sangue frio, são as verdades. Visão turva pela massa de ar tropical, são as falsas fantasias que nos fazem deambular pelo mundo dos sonhos. Uma oponente flor, imitação perfeita dos paradisíacos jardins tropicais, tão falsa quanto bela. São as orquídeas artificias que alimentam o deslumbramento.

2 comentários:

  1. Uau! Que texto causador de grande reflexão!
    Adorei!

    ResponderEliminar
  2. Ana, gostei desse trocadilho de palavras, seja bem vinda, beijo amiga

    ResponderEliminar